Eu assisti: Jurassic World

E viva a nostalgia! Assisti ao filme Jurassic World: Mundo dos Dinossauros e, em meio de efeitos especiais e lutas de dinossauros bizarras, me senti uma criança assistindo Jurassic Park de novo! Não estava esperando um enredo incrível, uma história emocionante, atuações inacreditáveis ou um final de explodir a cabeça. Não se trata de um filme excelente, pelo menos perante os críticos mais sérios, que gostam de comparar Batman de Tim Burton com O Poderoso Chefão. Mas que é um filme divertido, é! O post abaixo é completamente livre de spoilers.

Jurassic World: Mundo dos Dinossauros se passa 22 anos depois dos eventos do filme original. Eu saberia muito bem, porque o primeiro filme do Jurassic Park foi lançado exatamente um ano antes do meu nascimento, no dia 13 de junho de 1993. Assisti o filme original diversas vezes com meu irmão, durante toda minha infância. Por isso, foi muito difícil segurar as lágrimas quando os dois meninos interpretados por Ty SimpkinsNick Robinson adentraram à ilha.

O tema original de Jurassic Park, composto pelo artista John Williams em 1992 trás qualquer um de volta aos anos 90. E quem teve, como eu, sua infância nessa época, é impossível não sentir um aperto no coração.

Antes de ver o filme, fiquei imaginando como seria um mundo onde a ciência conseguiu criar dinossauros novamente. Bem futurista e louco, né? Agora imagine isso 22 anos depois? A tecnologia usada no filme é bem parecida com a que vemos na mansão de Tony Stark em Homem de Ferro, com aqueles computadores olográficos, shows de luzes azuis pra lá e pra cá. Praticamente a mesma coisa. E é um casamento tão legal, da natureza com essa tecnologia avançadíssima.

Os personagens são bastante superficiais e o enredo é basicamente o mesmo de sempre. Teria muito o que inovar com as novas descobertas paleontológicos realizadas nas duas últimas décadas. Mas o estúdio não quis inovar, quis ir com a mesma fórmula de sempre. E, sinceramente? Eu não fui ao cinema assistir inovação cinematográfica. Eu fui assistir o Chris Pratt (muito bonito, por sinal) treinar velociraptors. Gente, imagina essa profissão! Treinador de velociraptors!

Chris Pratt em Jurassic World

E pra quem estava preocupado com os dinossauros não serem animatronics… Bom, antigamente, os dinossauros eram feitos em efeitos especiais animatronics. Neste último filme, são só efeitos especiais. Sinceramente, algumas cenas me fizeram desacreditar na existência dos dinossauros ali. Pareciam mal renderizados, mas na maioria das cenas estavam ótimos. Como o filme foi lançado este mês e já tem algumas cenas difíceis de acreditar, imagino que Jurassic World não envelhecerá muito bem. Não tão bem quanto o primeiro.

Velociraptor em Jurassic Park

E, para encerrar o post, uma salva de palmas para a cena mais bizarra que eu já vi na vida. O “combate final” do filme é tão bizarro que chega a ser ótimo. Não vou contar mais pra não estragar o filme pra ninguém… Enfim, vão assistir agora, porque é divertidíssimo!

Deixe uma resposta