Tudo de errado com Esquadrão Suicida

Inspirada pela Olívia, decidi também escrever um post sobre o Esquadrão Suicida. Sim, porque eu também preciso colocar isso pra fora. No Junta 7 você pode ler uma crítica mais séria e imparcial sobre o assunto. Aqui é a minha opinião, e só estou representando eu mesma escrevendo por aqui. Sendo assim, prepare-se para uma lista de tudo que me irritou no filme Esquadrão Suicida.

Normalmente, aqui entraria um boxzinho com o trailer do filme, mas eu não vou fazer isso. Você viu o trailer do filme. O trailer é bom. O problema não é o trailer. E eu não quero que você veja o trailer e tenha algum tipo de esperança de que o filme é bom. Ou divertido. O filme é tão ruim que eu nem vou usar imagens dele para ilustrar esse post. Dane-se o SEO, se eu tiver que pesquisar por imagens pra ilustrar essa publicação eu vou ficar ainda mais irritada.

O que Esquadrão Suicida fez errado

O ritmo do filme é péssimo. Se foi um erro de direção ou edição, eu não sei dizer ao certo. Mas os primeiros minutos de Esquadrão Suicida são extremamente confusos e não conseguem ambientar bem a história. Imagino que eu não estava tão perdida por conhecer o básico da DC, mas as grandes produtoras querem atingir os grandes públicos, muitos dos quais mal conhecem a Arlequina, que é a personagem mais conhecida do grupo. Então, depender do conhecimento prévio do público foi um erro grotesco. A introdução falha miseravelmente em nos apresentar aos vilões.

A história do El Diablo é terrível. O rapaz é traumatizado por acidentalmente ter matado a família, e em poucas horas (ou dias?) já está convencido que um grupo de malucos egocêntricos é sua nova família? Como você tenta me convencer de que um cara que passou possivelmente anos na solitária meditando se irrita facilmente com o Will Smith dando alguns tapas na cabeça dele? É impossível sentir empatia por ele, e qualquer coisa que possa vir a acontecer com ele no decorrer da história simplesmente não convence ou emociona.

Jared Leto. Eu não sei de quem foi a ideia de fazer um marketing tão pesado em cima de Jared Leto e seu Coringa. Primeiro que o Coringa icônico de Heath Ledger ainda é extremamente fresco na memória popular. O Cavaleiro das Trevas é de 2008, todo mundo ainda se lembra da atuação incrível de Ledger. Então pra que focar tanto em Leto no marketing? Porque ele só foi focado no marketing mesmo, ele mal aparece no filme. E quando aparece, é extremamente desagradável. Parece uma versão high on sugar daquilo que já vimos em 2008.

A Harley Quinn é loucaOk. Mas você sabia que ela é louca? Ela é doidinha… Viu, essa garota é maluca! Sabe por que ela fez isso, por que ela é louca! Você achou isso repetitivo? Porque boa parte do dialogo de Esquadrão Suicida é só isso mesmo. A culpa não é da Harley em si, ela apresenta várias facetas, principalmente nos flashbacks. Mas o dialogo insiste em mantê-la como louquinha o tempo todo.

Quem é Katana? Não sei, você assistiu Esquadrão Suicida? Eu assisti, e não sei quem ela é. Ela é capanga da personagem da Viola Davis, mas… Da onde a Amanda Waller encontrou uma japonesa que não sabe uma palavra do inglês? O que raios ela está fazendo naquela cidade? Nos Estados Unidos. Não sei, não explica. E ela realmente parece interessante, mais interessante do que apresentar um passado cliché do Diablo.

O vilão, sua motivação e o final do filmeMeu deus, eu tive que parar e respirar antes de escrever isso sem soltar muitos spoilers. Ou soltar spoiler algum, que é a minha intenção. A motivação do vilão é pífia, o que ele faz é cliché e ridículo e é impossível imaginar que um grupo de vilões com revolvers, tacos de beisebol e boomerangs (meu deus!) é capaz de parar uma ameaça mundial. Mundial! E a ameaça mundial só existe porque a Amanda tentou criar o grupo. Se ela tivesse deixado essa ideia errada de lado, não existiria ameaça mundial pra ser resolvida. A existência deles no próprio universo é um problema.

O design está all over the placeO design de neon é legal, mas é carregado excessivamente em cenas de apresentação de personagens que mais parecem cenas de video game (que não é algo necessariamente ruim). No começo, nos primeiros trailers, estava legal. Mas conforme o marketing foi enlouquecendo, o design foi ficando cada vez mais carregado e hoje em dia, quando você vê um poster, é ridículo de feio. É verde, é rosa, é neon, é glitter, é caveira, é bolha, é unicórnio, É tudo e é muito feio.

MúsicaA música é boa, mas é tão óbvio que o filme está tentando “copiar”  Os Guardiões da Galáxia que você não consegue curti-la. Meu deus, fazer a gente conseguir não curtir Queen é realmente um talento. Parabéns, Warner. Esquadrão Suicida também tenta ser Deadpool ao mesmo tempo que tenta ser Os Guardiões da Galáxia, mas infelizmente só foi decidido o clima do filme depois que ele foi totalmente filmado. Ele tinha uma identidade própria, mas…

Ufa! É isso. Tem mais coisa sim, mas eu nunca conseguirei listar tudo. Nunca.

Mas tem coisas boas? Sim, mas ao invés das coisas ruins, elas cabem em apenas um parágrafo: As atuações de Viola Davis, Will Smith e Margot Robbie foram ótimas. Inclusive, isso beira um traço ruim do filme, porque é contrastante em relação ao restante do filme que você fica triste. Triste pelo disperdício de boas atuações e três bons personagens.

Deixe uma resposta