Televisão

O que eu preferia ver no final de ‘Game of Thrones’

Como fã da série desde sua primeira temporada e igualmente fã dos livros, não deve ser surpresa ao caro leitor que eu não gostei do final da série. Não é uma questão de projeção de expectativas, e sim a decepção de promessas não serem cumpridas. Se nem os atores gostaram, como diversas entrevistas apontam, quem sou eu pra discordar? Sim, eu odiei o final da série. Sabendo que o final de uma das séries mais históricas da televisão estava terminando, eu tinha plena noção que precisava preparar um post para o meu blog. Para desabafar, para marcar o momento.

Mas ao invés de sentar aqui e escrever sobre como eu não gostei e destilar mais ódio, chutar cachorro (ou dragão) morto, eu decidi que seria mais produtivo eu listar algumas coisas que eu preferia que tivessem acontecido. Ou que aconteceram, afinal o final não foi 100% ruim.

Essa publicação contém spoilers da última temporada de ‘Game of Thrones’

1) Daenerys Targaryen voltar para o outro lado do mar
Uma coisa que a própria Daenerys percebe ao chegar em Winterfell é que ela simplesmente não se encaixa. Não é uma questão de Sansa não confiar nela, afinal é o trabalho de Sansa não confiar em ninguém. Mas ela simplesmente não faz sentido no cenário de Westeros. Isso é porque, apesar de seu nome, Daenerys é uma estrangeira. Foi criada em outro continente, com outros costumes, outro clima, outras pessoas. Não é a toa que as pessoas de Essos gostam dela. Daenerys deveria crescer como personagem e entender que sim, ela não nasceu pra ser rainha. E sim Khaleesi. E em Essos, não em Westeros. Isso não é desistir. É entender seu propósito. Daenerys faz tudo o que faz no penúltimo e último episódio da série não porque ela tem uma visão do paraíso, mas porque é teimosa e não suporta a ideia de chegar a um lugar e não ser idolatrada. Perderam uma excelente oportunidade de desenvolvimento da personagem.

2) Jon Snow, ou Aegon Targaryen, sentar no trono
Mais um desenvolvimento de personagem que foi praticamente esfregado na nossa cara e não deu em nada porque o personagem é teimoso e simplesmente se recusa a evoluir como pessoa. Ou os escritores não sabem entregar um desenvolvimento. Teria sido ótimo se Jon Snow parasse de tentar negar seu sangue Targaryen e seu talento para liderança e, finalmente, tomasse Westeros como legítimo rei. Talvez até tendo uma ligação mais forte com o dragão cujo nome faz homenagem ao seu pai biológico, Jon poderia ser rei em Westeros e Daenerys em Essos, cada um com seu dragão, unindo não só Westeros em paz, mas os dois continentes. Passamos os últimos anos vendo que Jon nasceu para ser líder, e recusa por medo ou falta de confiança. O desenvolvimento natural do personagem seria entender que aquele é seu destino e que precisa tomá-lo. Assim como já vimos em Senhor dos Anéis, Aragorn também não queria ser rei. Teve um desenvolvimento competente como personagem e acabou tomando a responsabilidade, se tornando um dos melhores reis que os homens já tiveram.

3) Sansa se tornar rainha do Norte, um país independente
Uma coisa que aconteceu e eu realmente gostei foi a coroação de Sansa Stark como rainha do Norte, um país independente dos outros seis reinos. Como Sansa disse, os nortenhos são orgulhosos e não se ajoelhariam novamente, não depois de tudo que passaram. E não acho que o Norte teve uma líder tão forte e gentil antes de Sansa Stark. Sua cena de coroação nos últimos momentos da série me lembrou muito versões hollywodianas da Rainha Elizabeth I da Inglaterra. Não espero menos que anos de ouro para o Norte sob o comando de Sansa.

4) Brienne se tornar guarda da Rainha do Norte
Ao passo que fiquei muito feliz com o final de Sansa Stark, não entendi o porquê de Brienne se tornar Kingsguard em King’s Landing. Sor Brienne prometeu à Catlyn Stark que protegeria suas filhas, e não é a toa que a espada da cavaleira se chama Oathkeeper. Brienne ter mais ligação com o legado de Jaime do que com sua promessa à Catlyn não faz sentido nenhum para mim. Além da promessa em si, Brienne ama e é totalmente leal à Sansa. Por que ela a abandonaria?

5) As profecias de Cersei Lannister
Fomos apresentados a diversas profecias que, no final, não se concretizaram. Então por que mostrar essas profecias? Uma delas, foi a que fora prometido à Cersei na infância. A primeira profecia é: “Rainha você será. Até que um dia virá outra, mais jovem e mais bonita, para tomar de ti tudo que você tem de querido.” Se concretiza até a metade, pois apesar de Cersei se casar com o rei e se tornar rainha, não é uma rainha mais nova e bonita que toma para si o que Cersei têm de mais querido. Afinal de contas, Daenerys morre. Quem toma suas posses é Bran. A segunda profecia é: “Você terá três filhos. De ouro serão suas coroas, e de ouro serão suas mortalhas. E quando suas lágrimas já tiverem te afogado, o valonqar irá envolver suas mãos em volta do seu pescoço branco e pálido, e arrancará a vida de ti.” Enquanto a profecia se concretiza de que Cersei teria três filhos coroados e viverá para vê-los morrer, Maggy também profetizara que Cersei seria assassinada por seu valonqar. Valonqar, em valírio antigo, significa irmão mais novo. A feiticeira deixa claro que um de seus irmãos, sendo Jaime seu gêmeo mas tecnicamente mais novo, iria enforcá-la. Coisa que simplesmente não ocorreu.

6) Arya assassinar Cersei com o rosto de Jaime
Arya é uma das personagens mais vingativas de Game of Thrones, e nunca pensou em tirar Cersei de sua lista. Caso ela soubesse da verdade sobre Jaime ter empurrado seu irmão para fora da janela da torre e, consequentemente, deixá-lo paraplégico, tenho certeza que ela o assassinaria. Com o rosto de Jaime em mãos, ela poderia facilmente adentrar King’s Landing durante a guerra de Jon pelo trono e enforcar a rainha, dando a ela a impressão de seu único amor ser seu assassino, sofrendo a maior traição de sua vida. Além de dar um grande sofrimento à Cersei, concretizar a profecia e não prejudicar o desenvolvimento de Jaime no processo, teríamos finalmente alguma serventia para os rostos que Arya guarda na sua mala e simplesmente nunca usa em Westeros. Arya também finalmente fecharia os tais dos olhos verdes, completamente esquecidos pela série.

7) Bran usar seus poderes de warg
Outra habilidade completamente esquecida é a de Bran controlar animais e pessoas de mente fraca, como Hodor. Enquanto Jon, como líder com seu desenvolvimento funcionando, deveria ficar no chão para ajudar e inspirar as tropas (e ser azor ahai), Daenerys poderia ficar no céu com Drogon enquanto Bran usa suas habilidades para controlar o segundo dragão vivo. Dessa maneira, evitaria-se mais uma morte desnecessária de um dragão e Bran teria alguma serventia.

Outras questões que ficaram em aberto: quem era o verdadeiro azor ahai, da onde veio o Rei da Noite e qual era seu objetivo, Bran realmente sempre soube que seria rei? E por acaso vai encontrar Drogon? Qual é que era daquele cavalo que a Arya encontra e depois desaparece, era uma profecia? E aqueles seres da floresta que o Bran conhece? Qual era a ligação daquele velho maluco que oferecia bebês que posteriormente viraram white walker nenês? Ficaram muitos finais abertos, todos péssimos que mal se tem interesse em se fechar posteriormente.

Não assistirei nenhum spin-off em busca de respostas para essas perguntas, só pretendo ler os livros de George R R Martin para ler o verdadeiro final dos personagens. Até lá, vou ficar com esse final que idealizei ao invés da festa da uva que vi no horário nobre da HBO.

Compartilhe!

Moro em São Paulo, tenho 25 anos e trabalho com design e desenvolvimento web desde 2012. Sou apaixonada por games e literatura, mas as duas coisas que eu mais amo no mundo são cachorrinhos e qualquer coisa cor-de-rosa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *